Última atualização em .

#update 1: 29/03/16 às 10:15 O setor de telefonia depende de investimentos em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) para sobreviver. Fabricar tecnologia para o futuro das comunicações não é barato. Plataformas paralelas de operação como o Whatsapp que possibilita ligações gratuitas e comunicação via outras redes sociais tem alterado a principal função do celular que serve para tudo teclar, ouvir música, trabalhar, e pouco para falar. Assim, o faturamento das operadoras despenca. Pelo menos para aquelas que não estão formulando serviços que se adaptem a essa nova realidade “mais dados, menos voz”. No futuro muito provavelmente estaremos com mais forte presença de propagandas e publicidade ao lidar com os celulares, pois as operadoras vão aproveitar esse nosso uso excessivo e vender espaço para empresas se comunicarem com nós, clientes. 2016

 

A Claro está vendo a luz no fim do túnel? Nascida em 2003 no berço “esplêndido” da finada Empresa Brasileira de Telecomunicações, a EMBRATEL, a Claro parece manter o perfil de empresa pública no pior sentido da palavra. Margens brutas, EBITDA´s e rentabilidades líquidas todas MUITO ABAIXO do segmento.  Abriu o capital como sociedade anônima, mas não negocia suas ações na bolsa. Tem crescido o faturamento porque viu lá atrás que a internet barata no celular é o que há de bom na vida (rsrsrs). Como sempre aponta prejuízo anualmente, fiz meu estudo de Valuation na afirmação prévia de reestruturação operacional da empresa e apresentação de resultado de lucro líquido na média de 9,5% e uma taxa de crescimento do faturamento de 6,5% do setor. A composição do capital é majoritariamente próprio, que encareceu a taxa de desconto dos fluxos de caixa futuros. Avaliei a empresa em R$ 15,6 bilhões (método fluxo de caixa descontado). A empresa não possui recursos de curto prazo para cobrir com suas obrigações de curto prazo, visível em seu CDG negativo, fato amenizado pela característica da operação de altos valores investidos em ativos não circulantes. Não dá para fazer maiores estudos pois as demonstrações financeiras não evidenciam contas para o estudo dos capitais de giro, a necessidade de capital de giro e o que foi destinado à tesouraria. 2016

 

Chamem um padre para a Oi... A oi tinha a faca e o queijo na mão. Crescimento exponencial logo no início das operações em 2002, com domínio instantâneo no Nordeste e Norte devido à sua estrutura herdada da Telemar. Mas a compra da Brasil Telecom em 2009 um projeto que totalizou R$ 12,5 bi (acima até das expectativas do mercado) sendo desembolsos dos bancos estatais em um total de R$ 6,8 bi e fundos de pensão estatais (Previ, Petros e Funcef) em R$ 3 bi. O governo almejava fortalecer uma empresa BR para fazer frente a multinacionais que estavam no país como a Telefónica e Telmex. O projeto de aquisição estimava ampliar a base para 22 milhões de clientes em telefonia fixa e 20 milhões na telefonia celular. O sócio “governo” não fez muito bem para a gestão da empresa nesse e em outros investimentos como foi o caso dos R$ 5 mi investidos na Gamecorp que tem como sócio um filho do ex-presidente Lula. Outro “fora” foi a participação acionária na Portugal Telecom que veio no porta-mala um prejuízo com um calote absorvido com um negócio malfeito com a Rioforte, holding do falido grupo Espírito Santo acionista da própria Portugal Telecom. Quer dizer, dormiram com o inimigo, rasgaram e jogaram dinheiro no lixo . Esse episódio causou forte queda nas ações da empresa, cuja gestão antes símbolo de investimento pelas agências internacionais, desse momento em diante passa a ser sinônimo de má gestão. 2016 Além do mais, o incêndio em 2010 na estrutura operacional em Salvador/BA um dos principais mercados, a falência em cascata dos franqueados no ano 2012 em diante e prejuízos em operações descontinuadas de estão delineando um cenário sombrio para o futuro da empresa. Fica notória a dificuldade financeira da empresa. Em setembro/2015 no leilão de banda larga 4G a companhia decidiu nem participar, pois como não tem caixa iria se endividar ainda mais. Fato que não foi visto como oportuno para o momento. Fica pra trás na corrida tecnológica. A hora é de chamar o padre... O meu cálculo de Valuation para a Oi mensurou o valor de mercado em R$ 49,3 bilhões. Isso refazendo o cálculo do prejuízo que a empresa se encontra e a partir de reestruturação operacional a empresa voltando a apresentar o lucro líquido de 9,5% e aumentando faturamento em 6,5% como média do setor. A estratégia de uso de recursos financeiros da empresa está muito voltada para uso de recursos internos em vez de trabalhar com dinheiro do cliente, o que a está obrigando a pagar antes de receber.  A empresa busca cobrir essa necessidade de recursos com empréstimos o que está destruindo o seu resultado por causa do pagamento de despesas financeiras (juros). A empresa começou 2016 devendo R$ 59,9 bi a bancos. As vendas estão despencando ano a ano pois sua vivacidade de outrora em criar produtos matadores se exauriu. 2016

As minhas expectativas para a cotação das ações para a data 28/03/16 2016

Pelo que estou percebendo a ação OIBR3 ON está em sua linha de suporte mais extrema (ver gráfico da cotação 10 anos acima). No meu estudo a tendência deveria ser de subir, mas a empresa perdeu fundamento quando se expôs á gestão temerária. 2016

O histórico recente do LPA da empresa é sofrível. Em 2014 e 2015 devido ao aumento do endividamento da empresa, as despesas financeiras com pagamento de juros e os prejuízos em operações descontinuadas o LPA foi negativo (ver tabela Oi em número).

 

Tim A Tim foi a primeira operadora com cobertura nacional. A operadora era sinônimo de qualidade de serviços, estabilidade até quando a estrutura se tornou insuficiente para a enorme base de clientes que possuía. Chegou a receber liminares judiciais proibindo novas ativações (vendas de linhas) em 19 estados em 2012. As reclamações dos clientes se estendiam desde so serviço em si até o confuso call-center. Eu tenho más recordações disso... Era cliente deles... Atualmente faz forte inserção na mídia e em sua estratégia a internet barata tem atraído clientes. A minha Valuation da empresa traz o valor de mercado de R$ 23,7 bi. Ano passado outra Valuation foi feita medindo as operadoras e o estudo apontou o valor de R$ 27 bi. A TIM tem a melhor rentabilidade líquida mas teve um faturamento em 2015 ruim. O estudo que foi feito pelos avaliadores não considerou isso. A Tim dá aula de gestão financeira. Em todos os indicadores está a melhor no segmento.  Endividamento sobre controle, margens ok, Ebitda ok, retornos ok, LPA ok, CGD ok, NCG ok, ST ok. Tudo lindo. Padrão :). A Tim pode estar encurtando seu market-share propositadamente para enxugar a base de clientes e melhorar o nível de serviços, por isso a queda de faturamento. 2016As ações estão até abaixo das minhas expectativas. 2016 Tendência é subir. A projeção é R$ 8,90 (mais ou menos +10%) nos próximos dias. 2016

Vivo, a espanhola Telefónica sapateando no flamenco para manter clientes, mas está perdendo rentabilidade na queda de braço de preços. A Telefónica está presente em 21 países e tem mais de 125 mil colaboradores. Atua no Brasil desde a privatização das telecomunicações em 1998. Atualmente figura sempre como campeã de reclamações no Procon mas tem histórico de serviço mais qualificado e clientes mais satisfeitos. Acredito que se aplica aqui a minha frase “só erra muito quem faz muito.” A Vivo realmente se esforça para manter um bom serviço para seus clientes. Tem focado muito a internet e isso tem atraído clientes. Na minha Valuation medi R$ 45,2 bilhões de valor de mercado. Ano passado foi feito uma Valuation para a empresa e a mediu com o valor de R$ 52 bi. A diferença em valores é que em minha análise já ponderei a queda na geração de fluxo de caixa não incluída no estudo feito. É a companhia de telefonia mais valiosa do país. A empresa tem perdido rentabilidade. Está fazendo mais gastando bem mais. Principalmente nos esforços de vendas. A proporção desse grifo em comparação com o faturamento em 2012 era de 25,6% e sobe para 29,8% em 2015. Isso se reflete na geração do Ebitda (lucro antes dos juros e impostos) que despenca de 21,26% em 2012 para 13,01% em 2015. Ô Vivo tem que fazer mais com menos!!! Além do mais o aumento da conta fornecedores em mais de  R$ 730 mi de 2014 para 2015, totalizando R$ 8,4 bi, embora provavelmente tenha sido para suportar o aumento do faturamento, mas isso refletiu no estou do CDG e no aumento expressivo da NCG. Alie isso com a queda de rentabilidade e está aí a explicação para a tesouraria estourada. Tem a menor concentração de dívida bancária do mercado. 2016As ações estão com cotação bem elevada. Segue minha expectativa. O bullish está forte, mas tudo o que sobe demais a gravidade puxa pra baixo mais fortemente. 2016 Fibonacci concorda comigo. Já deu os 100%. 2016

Pingbacks

Pingbacks estão abertas.

Trackbacks

Trackback URL

Comentários

Ainda não há comentários.

Publique seu comentário